sábado, 10 de março de 2018

TOP 10: AS MELHORES COMÉDIAS DE ROBERTO SANTUCCI.

Com certeza, você conhece Leandro Hassum e Ingrid Guimarães. Mas, você sabe quem é Roberto Santucci? Simplesmente, é o cara que não apenas dirigiu alguns dos filmes de sucessos dos dois atores, mas, um campeão absoluto de bilheterias com seis filmes na lista dos 40 mais vistos de toda história do nosso cinema nacional. Santucci iniciou a carreira na primeira metade dos anos 1990, como assistente de montagem das produções hollywoodianas Código de Honra (estrelado pelos joviais Brendan Fraser, Matt Damon e Ben Affleck) e Lendas da Paixão (aquele dramalhão meloso estrelado por Brad Pitt e Anthony Hopkins), debutando na direção com dois curtas, fazendo sua estreia em longas apenas no ano 2000, justamente com uma comédia, Olé - Um Movie Cabra da Peste, chamou atenção da crítica e do público com a adaptação do romance do titã Tony Belloto, Bellini e a Esfringe, que continuou com o premiado Alucinados. Mas, seu grande estouro com o grande público veio com sua volta ao gênero da comédia em 2011 com o primeiro De Pernas por Ar. A partir de então, sucederam várias outras, que arrebataram nas bilheterias, com alguns outros diretores copiando e colando a fórmula, que na verdade não é de Santucci, que não trouxe nenhuma novidade ao gênero, já que seus filmes são medianos (na verdade, até agora, nenhum ruim), bobos, recheados de clichês e situações que já vimos zilhões de vezes. Mas, indiscutivelmente, o cara é competente em nos trazer comédias escapistas e abestalhadas que são eficientes em divertir e provocar gargalhadas fáceis do público, principalmente, de quem tem o riso frouxo. Nesta postagem, iremos listar, as comédias dirigidas por Santucci (apenas seu filme de estreia ficou de fora, pois ainda não assistirmos). Antes que mais uma vez, o cara arrebente nas bilheterias com seu novo trabalho, Os Farofeiros, vamos ao nosso Top 10.


Iniciamos nossa lista com a comédia que, até agora, é terceira mais vista do diretor, e que ligeiramente, tem um roteiro mais inteligente e criativo que as demais. Infelizmente, a comédia estrelada pelo talentoso trio Ingrid Guimarães, Tatá Werneck e Suzana Pires, só surpreende mesmo no desfecho, já que no decorrer da trama temos mais do mesmo. Não chega a ser um filme ruim, pois, cumpre direitinho sua função de divertir. Mas, de todas as comédias abestalhadas do diretor, é a menos engraçada.


O filme menos "autoral" do diretor, que em comum com a maioria dos trabalhos só o fato de ser um filme tupiniquim com locações em terras gringas. Claramente, Santucci, que divide a batuta com o parça de longa datas Marcelo Antunez, limitou-se a trilhar o caminho aberto pelos diretores no filme original, uma comédia romântica baseada numa peça escrita por Juca de Oliveira, e estrelada pelos competentes Cléo Pires e Malvino Salvador. Mesmo sendo legalzinha e ter alguns momentos engraçados, é inferior ao original.


Até agora, a maior bilheteria da carreira de Santucci, e que inaugurou a modinha passageira de uma comédia nacional ter locações em terras gringas. Consideravelmente melhor que os dois filmes que abriram nossa lista, a comédia estrelada por Ingrid Guimarães, que volta a figuraça personagem, junto com boa parte do filme original, praticamente repete a fórmula deste, algo que acabou sendo costumeiro nas comédias abestalhadas do diretor. Tem seus méritos, mas, não é essa coisa toda, sendo inferior ao original


Santucci é pé-quente com as primeiras continuações dos seus sucessos, pois temos aqui a segunda maior bilheteria da sua carreira e a maior da trilogia da saga das cagadas do sem noção Tino, vivido pelo impagável Leandro Hassum. A novidade aqui é apenas a substituição de Danielle Winits - que não voltou a sequência por está em compromisso com uma novela global - por Camila Morgado, que simplesmente, arrebenta e dar um show, a ponto de esquecemos a titular original. Fora isso, temos a costumeira repetição de fórmula do filme original, com a trama rolando em Las Vegas. Além de bombar nas bilheterias, o filme presenteou Santucci com a honra e a moral de dirigir um dos maiores gênios do humor mundial, o saudoso Jerry Lewis.


Depois de ter pequenas participações em três comédias suas, Santucci presenteia o impagável Rodrigo Sant'Anna com seu primeiro protagonismo nas telonas. Claramente copiando as comédias hollywoodianas A Herança de Mr. DeedsO Professor Aloprado, como de costume nas comédias do diretor, cumpre sua função de divertir e provocar gargalhadas com enredo raso e abestalhado, que serve para Sant'Anna dar um show de versatilidade, se desdobrando em vários personagens. Se fosse um pouquinho mais engraçado, com certeza, estaria numa posição melhor na nossa lista.


A maior surpresa das comédias de Santucci, provavelmente, deve ser a menos lembrada pelo público. Com uma trama que copia claramente o clássico da literatura mundial Conto de Natal de Charles Dickens, trocando apenas o Natal pelo meloso Dia dos Namorados, o filme surpreende por ser realmente muito engraçado, graças principalmente ao elenco. A impagável Heloísa Périssé tem no seu segundo e até agora último protagonismo nas telonas, sua chance de brilhar e sua redenção após o fiasco do horrível O Diário de Tati.


Único empate na nossa lista é justamente entre duas comédias do diretor estrelada pelo impagável Leandro Hassum. Desta vez, a cópia descarda aqui é de O Mentiroso, estrelado por Jim Carrey, só mudando a profissão para um político brasileiro, o que acaba sendo o grande acerto desse filme, que traz Hassum, impagável e fazendo as caras e bocas de sempre. O político "amaldiçoado" em falar a verdade, somente a verdade, voltará este ano em O Candidato Honesto 2 - O Impitchiment, previsto para chegar propositalmente próximo as eleições deste ano.

Coincidentemente, a política de Brasília rende uma das sequências mais engraçadas do último filme da trilogia Até que a Sorte nos Separe, o sexto mais visto do diretor. Ligeiramente mais engraçado que o segundo filme, com Hassum e Camila Morgado repetindo a química cômica, temos aqui um bom desfecho da trilogia que já demonstrava sinal de cansaço de tanto se repetir.


O filme responsável pelo estouro de Santucci como diretor de comédias tupiniquins campeãs de bilheterias, e que, até agora, é seu quarto filme mais visto. Um dos seus melhores filmes e de Ingrid Guimarães, que inicia com o pé direito sua parceria bem sucedida com o diretor, que rendeu dois filmes. A atriz está hilária como a mãe de família desempregada e separada do marido, que se junta com uma vizinha porra-louca, vivida pela eterna Casseta, Maria Paula (que simplesmente rouba a cena), para montar um sex shop. Com um roteiro bem mais desenvolvido que a média dos filmes do diretor, temos uma comédia engraçadíssima, com todo mérito, fica com o nosso bronze.


Com apenas três dias de exibição, o novo filme chega, chegando, balançando a zorra toda, ficando com o nosso segundo lugar, deixando para trás alguns dos maiores campeões de bilheterias do diretor e do nosso cinema. Até agora, é a comédia do diretor com mais cara de povo brasileiro, desbancando Um Suburbano Sortudo nesse quesito. Afinal, quem de nós, independente de classe social, ao ir passar um feriado ou final de semana com um grupo de familiares ou amigos, já não se meteu numa roubada como as muitas que os personagens figuraças deste filme se metem? Cacau Potásio e Maurício Manfrini, roubam a cena, mesmo não sendo muito exigidos pelo diretor, praticamente repetindo seus personagens mais conhecidos, Terezinha e Paulinho Gogó. O restante do elenco pega o embalo e o resultado, mais uma vez, é a provocação de boas gargalhadas para o público. Tem tudo para ser mais um campeão de bilheterias no currículo de Santucci.


Nem Ingrid Guimarães, nem Leandro Hassum, nem Tatá Werneck, nem Rodrigo Sant'Anna. A mais pé-quente numa comédia de Santucci é a atriz Danielle Winits, que marca presença nos dois primeiros colocados da nossa lista. Quinto filme mais visto de Santucci, o início da excelente parceria  com Leandro Hassum - que rendeu a este quatro dos seus maiores sucessos de bilheterias - simplesmente, é um dos melhores filmes da dupla bem sucedida, e de quebra, uma das melhores comédias nacionais de todos os tempos. Com uma trama simples e clichês hollywoodianos até o talo, o filme é engraçado do começo ao fim,  e até agora é disparada a melhor comédia do diretor e um dos melhores dos seus filmes, levando, merecidamente, o nosso ouro.

Rick Pinheiro. 
Cinéfilo alagoano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário