quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

RECORDAR É REVER: PENALIDADE MÁXIMA.

 = Excepcional. /  = Muito bom. /  = Bom./  = Regular. / = Fraco. / Coco do Cachorrão= Preciso mesmo dizer?.

Penalidade Máxima (Mean Machine).
Produção britânica e estadunidense de 2001.

Direção: Barry Skolnick.

Elenco: Vinnie Jones, David Kelly, David Hemmings, Ralph Brown, Vas Blackwood, Robbie Gee, Geoff Bell, Sally Phillips, Jason Flemyng, Danny Dyer, Jason Statham, entre outros.

Blogueiro assistiu na TV por assinatura (TNT) e online (Netflix).

Cotação

Nota: 7,5.

SinopseRefilmagem de Golpe Baixo (1974). Danny Meehan (Jones) é um grande jogador do futebol britânico que ver sua carreira decair após um escândalo envolvendo manipulação de resultados. Para piorar, ele inventa de dirigir bêbado e na abordagem policial, agredir dois tiras, indo parar no xilindró. Lá, ele tem a oportunidade de se redimir, formando e treinando um time de presos, para uma partida contra o time dos guardas.   

Comentários: Muita gente conhece a versão hollywoodiana de Golpe Baixo, estrelada por Adam Sandler em 2005. Mas, o primeiro remake do filme homônimo de 1974, estrelado por Burt Reynolds, é este filme britânico estrelado por Vinnie Jones, e que hoje chama a nossa atenção pela participação de Jason Statham, hilário, roubando a cena em início de carreira, como o figuraça Monk. Mudando apenas o esporte (sai o futebol americano e entrar o nosso amado futebol, outro atrativo), temos um filme com um roteiro satisfatório, que só pisa na bola por arrasta um pouquinho demais a história, principalmente, no começo. Mas, da segunda da metade para o final o filme cresce até o seu empolgante clímax. Diversão garantida. Vale a conferida.

Rick Pinheiro.
Cinéfilo alagoano.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

QUASE SAINDO DA MERDA.

 = Excepcional. /  = Muito bom. /  = Bom./  = Regular. / = Fraco. / Coco do Cachorrão= Preciso mesmo dizer?.

Uma História de Vingança (Vengeance: A Love Story).
Produção estadunidense de 2017.

Direção: Johnny Martin.

Elenco: Nicolas Cage, Anna Hutchison, Talitha Bateman, Charlene Tilton, Joshua Mikel, Rocco Nugent, Deborah Kara Unger, Don Johnson, entre outros.

Blogueiro assistiu online (Telecine Play) em 15 de janeiro de 2018.

Cotação

Nota: 6,8.

Sinopse: Teena Maguire (Hutchison) é uma jovem viúva, que na noite do feriado de 04 de julho, está voltando de uma festa, com a filhinha Bethie (Bateman), e acaba sendo vítima de um estupro coletivo. Os responsáveis são pegos e são levados a julgamento, mas, logo na primeira audiência tudo leva a crer que serão inocentados. Peidado, o policial e veterano de guerra, John Droomer (Cage), parte para fazer justiça com as próprias mãos.

Comentários: Aparentemente, as distribuidoras nacionais, finalmente, desistiram de lançar nos cinemas os filmes estrelados pelo astro Nicolas Cage. Caso deste filme, que tem uma premissa interessantíssima, que chegou diretamente em home vídeo e agora está disponível na rede Telecine e no seu serviço de streaming. A princípio somos surpreendidos com uma boa história, num filme que se encaminhava para ser acima da média das tranqueiras que o ator, com boas atuações de Anna Hutchinson e da pirralha Talitha Bateman, inclusive com o próprio Cage convencendo em algumas cenas. Mas, toda boa intenção é jogada na latrina com um roteiro mal elaborado, recheado de furos e incoerências até o talo, principalmente, a partir da sequência da primeira audiência (o argumento da defesa do advogado escroto, vivido por Don Johnson, é o mais absurdamente patético de todos os tempos), onde o filme decai consideravelmente de qualidade, não conseguindo ser eficiente nem como drama policial, muito menos como um filminho policial de vingança. Ficou no meio do caminho. sendo só um filminho legalzinho. Ainda não foi desta vez que Cage saiu da merda habitual.     

Rick Pinheiro.
Cinéfilo alagoano.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

ESTADISTA INGLÊS EM DOSE DUPLA NAS TELONAS.

 = Excepcional. /  = Muito bom. /  = Bom./  = Regular. / = Fraco. / Coco do Cachorrão= Preciso mesmo dizer?.

Churchill (Churchill).
Produção britânica e estadunidense de 2017.

Direção: Jonathan Teplitzky.

Elenco: Brian Cox, Miranda Richardson, John Slattery, Ella Purnell, James Purefoy, Richard Durden, Danny Webb, Jonathan Aris, entre outros.

Blogueiro assistiu online (site Filmes Online HD) em 14 de janeiro de 2018.

Cotação

Nota: 6,0.


Sinopse: Baseado em fatos. A trama se passa em 1944 na Inglaterra, as vésperas do histórico desembarque das tropas aliadas na praia da Normandia. Nesse delicado momento da história da humanidade, o primeiro-ministro britânico Winston Churchill (Cox) faz de tudo para evitar que a operação seja adiada, o que o leva a bater de frente com o general Dwight Eisenhower (Slattery).

O Destino de uma Nação (Darkest Hour).
Produção britânica de 2017.

Direção: Joe Wright.

Elenco: Gary Oldman, Kristin Scott Thomas, Ben Mendelsohn, Lily James, Ronald Pickup, Stephen Dillane, Samuel West, Hilton McRae, Benjamin Whitrow, David Bamber, David Strathairn, entre outros.

Blogueiro assistiu na sala 2 do complexo Centerplex Maceió em 15 de janeiro de 2018.

Cotação

Nota: 7,0.

Sinopse: Baseado em fatos. A trama se passa em 1940, e acompanha os primeiros dias de mandato do controverso primeiro-ministro inglês, Winston Churchill (Oldman), que de cara, tem um puta abacaxi para descascar: chega ao poder justamente quando as tropas nazistas de Adolf Hitler tomaram dois países e parte da França, e Chucrhill é pressionado a aceitar um acordo de paz entre Inglaterra e Alemanha, algo que ele reluta em aceitar.

Comentários: Em 2017, tivemos dois filmes que retratam Winston Churchill, que chegaram aos nossos cinemas brasileiros em pouco mais de três meses. Em comum, além de focar na figura do polêmico estadista inglês, ambos os filmes não são cinebiografias padrões que falam da vida, mas, os dois focam o mesmo período. Quem chegou primeiro, timidamente aos nossos cinemas foi Churchilll, filme onde o estadista é vivido pelo competente Brian Cox, que conta com um roteiro satisfatório, que arrasta a trama um pouquinho além da conta, mas, em compensação, envolve e prende a atenção graças a brilhante atuação do elenco, em especial, de Cox, que não fica atrás do colega de figura histórica do outro filme. Apesar de ser um filme morgadão, vale a conferida, principalmente, pelas ótimas atuações de um elenco inspiradíssimo.

Com muito mais badalação, principalmente, após o excelente Gary Oldman levar o Globo de Ouro por sua brilhante atuação, agora é a vez de O Destino de uma Nação chegar aos nossos cinemas, filme que me levou atravessar a cidade para assistir (o Cinesystem está fechado com problemas técnicos desde sábado, e, milagrosamente, o Centerplex está exibindo um filme legendado). Contando também com um bom roteiro, o filme tem o mesmo problema que o colega de postagem, se arrastando um pouco a mais da conta. Mas, também é eficiente, e consegue ser mais interessante e ligeiramente melhor que o filme comentado acima. Enfim, outro filme que merece ser conferido muito mais pela atuação do elenco (no caso aqui, o brilho total é de Oldman, irreconhecível, dando um show de atuação debaixo da excelente maquiagem).

Rick Pinheiro.
Cinéfilo alagoano.